É aqui que é aqui

Nas postagens abaixo, a linha do tempo da pesquisa de doutorado: notas, comentários, referências e outros fragmentos.
Nas abas acima, outras linhas: um pouco de tudo.

Posted in Aesthetics | Leave a comment

Edison talking Doll

Edison_Phonograph_Doll_01.jpg

Image | Posted on by | Leave a comment

Mme Blavatsky

The Secret Doctrine: The Synthesis of Science, Religion, and Philosophy. 2 vols. By H. P. BLAVATSKY. New York, William Q. Judge. 8Dagger Science, 02/01/1889, Vol.ns-13(313), pp.89-90

Screen Shot 2016-03-28 at 05.42.45.png

Posted in Aesthetics | Leave a comment

Popular Free Radio

by Felix Guattari

The Evolution of the means of mass communication seems to be going in
two directions:
– toward hyper-concentrated systems controlled by the apparatus of
state, of monopolies, of big political machines with the aim of shaping
opinion and of adapting the attitudes and unconscious schemas of the
population to dominant norms,
– toward miniaturized systems that create the possibility of a
collective appropriation of the media, that provide real means of
communication, not only the “great masses”, but also to minorities, to
marginalized and deviant groups of all kinds.
On the one hand: always more centralization, conformism, oppression;
on the other, the perspective of a new space of freedom,
self-management,
and the fulfillment of the singularities of desire.
How is that a relatively old technology like radio has set the stage
of a breakthrough in this second direction — in Italy and France —
through the phenomenon of the Free Radio stations? Why not video, which,
not long ago, raised so many expectations? Why not cable? Why not
Super-8? It would be very difficult to disentangle all the factors that
permitted Free radio to take off. Bug there are two factors that seem to
demand particular attention:
– with video and film, the technical initiative remains, essentially,
the object of big industrial enterprise;
– with Free Radio, an important part of the technology depends on the
improvisational ability of its promoters.
For here as elsewhere, the technical choices always conceal
political and micro-political choices. For example, in the domain of
television, the technical options have all been centered on family or
individual consumption. Hence, a very narrow definition of the broadcast
framework results (the division of labor between technology, production,
and conception of programs; its perpetual reorientation toward the
studios as a closed vessel; the national vocation of the programs …) which
leads ineluctably to an absolute passivity of the consumer. Yet nothing,
at the outset, imposed such a political choice on the technical level!
It was possible right away to conceive of technical equipment for the
kind of production and consumption that was adapted to “group-subjects”
and not to subjugated groups. But with capitalist and state
decision-makers lacking any interest in such an orientation, it is the
people “of means” that have triumphed. And today one has a tendency to
base the legitimacy of this choice on the nature of things, on the
“natural” evolution of the technology.
With Free Radio, we find ourselves before the same type of
technicopolitical problem. But here, because of the confrontation with
power, it’s the people “of lesser means” who assert themselves as if by
necessity. In fact, at the present stage, the only way to resist the
jamming and the searches is by multiplying the number of transmitters
and my miniaturizing the material in order to minimize the risks. (This
daily guerilla warfare the airwaves is perfectly compatible with the
kind of public airing that takes place whenever the balance of power is
poised for it: public broadcasts, national holidays, etc.)
But the point the organizers of the popular Free Radio stations
particularly emphasize is that the totality of technical and human means
must permit the establishment of a veritable feedback system between the
listeners and the broadcast team: whether through direct intervention by
phone, through opening studio doors, through interviews or making
programs on cassettes by listeners, etc. The Italian experience, in this
regard, shows us the immense field of new possibilities that is opened
in this way; in particular, the experience of the Bologna group that
organized Radio Alice and the journal A Traverso. We realize here that
radio constitutes but one element at the heart of an entire range of
communication means, from daily, informal encounters in the Piazza
Maggiore to the newspaper — via billboards, mural paintings, posters,
leaflets, meetings, community activities, celebrations, etc. We are far,
very far from the technocratic conceptions of the French partisans of
*local* radio, who insist, on the contrary, that those who express
themselves on the air represent their interests; or from the conceptions
of the traditional left, which is concerned above all that only the
party line and certain mobilizing propositions be expressed on their
wavelengths! (On Italian Free Radio, it is often the case that very
serious debate are directly interrupted by violently contradictory,
humorous, or even poetico-delirious interventions.) We are equally far
from the conceptions of the modernist technicians who declare that what
is important today is the content of the broadcasts and the care one
brings to the production, and who refer to the entire mythology of the
“modern look” and the “new sound”. All these “preliminaries” relative to
the quality of the spokesman, to the content of the messages, and to the
form of expression, come together here. In effect, the “locals”, the
militants, and the modernists have this in common: in one way or
another, they set themselves up as *specialists*: specialists of
contacts, of watchwords, of culture, of expression… Yet, to be
precise, the way opened up by the Free Radio phenomenon seems to go
against the whole spirit of specialization. What becomes specific here
are the collective arrangements of enunciation that absorb or
“traverses” specialties.
Of course, such an assumption of direct speech by social groups of
all kinds is not without consequence! It fundamentally endangers all
traditional systems of social representation; it puts in doubt a certain
conception of the delegate, the deputy, the authorized spokesman, the
leader, the journalist … It is as if, in an immense permanent meeting
— at the surface level of listening — anyone, even the one who is most
hesitant, who has the weakest voice, has the means of expressing himself
whenever he desires! In these conditions, one can expect certain thruths
to find a *new substance of expression*. Some time ago, Bertrand Boulin
launched, on Europe No. 1, a broadcast in the course of which children,
coming out after school, could express themselves directly by telephone.
the result was absolutely surprising and upsetting! Through thousands of
testimonies, certain aspects of the real condition of childhood were
revealed, the very accent and tone of which no journalist, educator, or
psychologist could otherwise have recognized. But the names, places, and
precise circumstances were also communicated: it caused a scandal, a
cover-up, and, finally, the neutralization of the broadcast…
To draw up the *Cahier de doleance* in 1789, the spokesman of the
Third Estate literally had to invent a new means of expression, a new
language. Today the Fourth Estate is also in search of a sublanguage to
bring problems to light that, in reality, concern society as a whole. It
is in this context of experimenting with a new type of direct democracy
that the question of Free Radio is inscribed. Direct speech, living
speech, full of confidence, but also hesitation, contradiction, indeed
even nonsense, is the vehicle of desire’s considerable burdens. And it
is always this aspect of desire that spokesmen, commentators, and
bureaucrats of every stamp tend to reduce, to settle. The language of
official media is traceable to the police languages of the managerial
milieu and the university; it all gets back to a fundamental split
between saying and doing according to which only those who are masters
of a licit speech have the right to act. Languages of desire, on the
other hand, invent new means and have an unstoppable tendency to lead
straight to action; they begin by “touching”, by causing laughter, by
provoking, and then they make one want to “go towards,” towards those
who speak and towards those stakes that concern them.
One will object that France is not Italy and that there is a great
risk in letting the cohorts of private, commercial stations and the
sharks of advertisement rush into the breach made in the monopolies of
state! It is with this kind of argument that one pretends to denounce
Free Radio and to justify maintaining the monopoly, or adjusting it
slightly, which would drive the local radios into the service of the
bigwigs and under the indirect control of the prefects! it takes a holy
dose of bad faith to raise the question of advertising in the context
of the development of popular radios. They are clearly two separate
problems: on the one hand, there is the question of liquidating the
(state) monopoly as the first condition of expanding Free Radio and,
on the other, there is the bigger question of how to control commercial
advertising — but *wherever* it can be found: on walls, in newspapers,
on TV, and eventually on Free Radio itself. Why should the issue of
intoxication raised by advertising — supposing the Left had really
committed itself to addressing the issue — imply control, censorship
or institutional protection of Free Radio? With lots of money on hand,
advertisers are eager to launch numerous private channels. Well! Let’s
regulate advertising — indeed, even prohibit it on all the airwaves.
It would be very surprising if these people were still prepared to
undertake such ventures! Yes, surprising if these people were still
prepared to undertake such ventures! Yes, but one will say, the
government secretly supports the advertisers (not to mention the local
bigwigs) while it represses true Free Radio stations, as we have
recently seen with the seizure of materials from Radio 93, Paris Free
Radio, and Rocket Radio.
Who will win out in the final analysis: regulation, underground
power maneuvers, or an open balance of power? Let the dozen existing
Free Radio stations give way to hundreds of new groups and let whole
stratas of the population, ever larger and more diversified, begin
participating, financing, and protecting these new stations; then we
shall see just how strong the present alliance between the government,
local notables, and the private sector is! Monopoly and regulation would
not really guard the public from a<dvertising anyway — as we see on TV.
And yet, is it not up to the masses themselves to organize against the
pollutant of advertising? People are not children — and besides,
children themselves refuse more and more to be treated like
irresponsible people! They have no need of any protection, despite
themselves, against “bad influences” that might carry them off the trash
heap prepared for them by the advertisers! The day they can tune in to a
hundred different stations, they will simply choose what suits them! The
prudent attitude (at least an amusing one) of the parties of the left
and the unions toward Free Radio reveals an outmoded conception of mass
intervention in the social sphere. The texts, the petitions, the
regulations, the delegations are one thing, but living, social groups
taking real control is another. If one really wants to organize a
struggle on a grand scale against the advertising blitz, against all
forms of physical and moral billy-clubbing, and against all forms of
domestication (on which not only the power of the state and the
employers rest, but also that of the very organizations that claim to
fight them), then one can only hope in the meantime that militant
bureaucrats will cease bullying those who are striving, for better or
worse, to create a *real* instrument of struggle against such forms of
intimidation and domestication!

Radiotext(e). Neill Strauss, Dave Mandl (Ed.). New York: Autonomedia Press, 1993

Posted in Aesthetics | Leave a comment

Um recado de João Cabral de Melo Neto

Uma educação pela pedra: por lições;
Para aprender da pedra, frequentá-la;
Captar sua voz inenfática, impessoal
(pela de dicção ela começa as aulas).
A lição de moral, sua resistência fria
Ao que flui e a fluir, a ser maleada;
A de poética, sua carnadura concreta;
A de economia, seu adensar-se compacta:
Lições da pedra (de fora para dentro,
Cartilha muda), para quem soletrá-la.

Outra educação pela pedra: no Sertão
(de dentro para fora, e pré-didática).
No Sertão a pedra não sabe lecionar,
E se lecionasse, não ensinaria nada;
Lá não se aprende a pedra: lá a pedra,
Uma pedra de nascença, entranha a alma.

Posted in Aesthetics | Leave a comment

elocubrações

O problema : a produção de imagens, pensadas como potência de mobilização afetiva, em fluxo.
Hipótese: Há performatividade e agência nas imagens. A operação imagente (Mondzain, Didi-Huberman) não pode ser pensada exclusivamente em termos humanos, isto é, antropocentrados. Deve ser concebida como possível imaginação do mundo, imaginação das coisas. Esta imaginação , dessubjetivada, ou por outra, transsubjetivante, faz corpo através de operações tecnoestéticas, como proposto por Simondon em carta a Derrida. Na constituição do fluxo, elementos como consistência e coerência são centrais para a compreensão de seu modo de existência.
Metodologia: A construção de objetos técnicos geradores de fluxos de imagens. Pensar por imagens – filmes. Mas não o filme como objeto constituído no campo da representação moderna, necessariamente circunscrito ao que se convencionou pela indústria e o modus operandi da arte do século XX, par excellence. Mas cinema por sua natureza de torrente de imagens – “cinema é cachoeira” – a frase de Humberto Mauro renovada , a partir de uma nova perspectiva tecnoestética, pelo sentido do fluxo de informação – ou data flow. A mediação entre homens; uma superfície de comunicação. A primeira entrada no problema se deu por um modelo de database, como forma simbólica, pensando junto com Lev Manovich. Após a realização de experimentos com bancos de dados o problema da mobilidade coloca-se como complexidade e ressonância. É necessária uma nova topologia – Flusser nos fala de um estado que é Bodenlos – sem chão. Então como pensar um filme que é bodenlos, talvez a cachoeira seja uma boa imagem para isso, assim como o rio de Heráclito. Menos em termos dos componentes de um database e mais em termos de um campo dinâmico de forças, de tensões, de vetores. De devires. Virtualidade e possibilidade. Não no sentido de uma análise combinatória, mas da própria constituição, em certa medida, a imaterialidade da própria matéria, ou para voltar ao vocabulário Simondoniano o pré individual do filme. Antes da inviduação antes do sujeito ser sujeito e do objeto ser objeto. Lugar do germe.
***
Talvez se fosse colocado nos termos da física o problema aparecesse como a clássica oposição entre a natureza corpuscular e a natureza ondulatória da matéria. Um cinema que não fosse feito de pontos, fossem estes grãos de prata ou pixels; mas um cinema que fosse como um comprimento de onda em um dado feixe luminoso. Um cinema que fosse por assim dizer espectral.
A lida com o espectro é melhor captada por antenas que por câmeras.
Filmes como modulações, como sintonizações. A sensibilidade de impressão deste cinema é uma sintonia.
Este lugar de produção de imagem – não apenas sobre as imagens produzidas pelo homem mas sobre a imagem em geral, parafraseando o texto de Walter Benjamin. A imagem imago eidos. Uma potencia eidética do mundo. Mas nao a época de imagens do mundo, não o mundo transformado em uma imagem objeto, mas o processo de produção de imagens como constituinte do mundo, não um mundo no qual o homem age, ou sobre o qual o homem age, mas um mundo que é produzido pelas imagens que são produzidas, em um sistema de ressonância, por todos os agentes neste mundo, sendo, as próprias imagens, agentes.
A estabilidade como um caso particular da meta estabilidade. Uma outra metafísica, uma meta física da natureza.
Identidade como limite da diferença.
Ontologia submetida a epistemologia.
O referente começa a escapar do signo.
Não o filme como substância mas o filme como relação.
***
Não há privilegio do humano.
A ideia da energia como inseparável da relação.
O fato diferencial e a diferença de potencial.
Relação de signos : modelo da diferença linguística e da diferença energética. Mauss: Mana é força é causa é noção de diferença entre a coisas

Tecno logos
Repensar a tecnologia e a cultura, o cinema como segunda natureza, como propõe Felinto.
A máquina como um parceiro, aonde humano e maquina sairão afetados da relação. Porque uma máquina? Porque o objeto técnico e não o objeto de arte? Mas se pensarmos a techne, grega que é arte e técnica a um so tempo;
No entanto se a questão é do domínio da aesthesis, do sensível, do comum, pois que estamos falando de mobilização afetiva. Se estamos falando de pathos, como aponta Laymert Garcia.

Relação de surpresa ou questionamento dialógica.
O que seja dialogismo: pensar com Flusser.
A relação humano máquina exige desafios. Como pensar um acoplamento verdadeiramente dialógico?
Laymert Garcia e o filme que realiza com os ianomâmis: ainda é uma forma, no campo da representação, que enfatiza uma visualidade objetiva, ou ainda uma objetividade visual. As imagens, belíssimas por sinal, tentam dar conta de re presentar, pictoricamente, o que teria sido a experiência.
No entanto, como pensar em termos tecnoestéticos o acoplamento? Como sair do nível de operação lógico representacional que pressupõe uma forma que a técnica executa?
Como produzir uma imagem que seja modulável pela relação mesma com o espectador/produtor? Que incorpore a historicidade de sua própria existência como objeto técnico nesta relação?

Pensar uma historia, uma vida, do próprio filme. Não a história que o filme “conta” ou representa, mas a historia real, de sua vida de filme. Esta possibilidade, de uma vida das coisas, de a materialidade ser necessariamente histórica, e nessa historicidade, não antropo referente. A história das coisas, a vida secreta dos objetos. Em Benjamin, como aponta Felinto (p.4), o conceito de vida é estendido a tudo que tem história e a história, por sua vez, adquire função renovada.

A bio arte, a arte generativa e as mídias baseadas em tempo real buscam responder a estas perguntas. O que é arte generativa? É arte que é gerada na mediação.

Pensar o cinema como um objeto técnico.
Simodon aponta para três aspectos do objeto técnico.
Une unité solide: a solidez do objeto – stereos é sólido em grego.

Um intermediário entro o mundo e o homem. O objeto técnico como intermediário, repare que não é uma media, um meio, mas um médium, inter médio. Uma fase de constituição de sua unidade. O objeto técnico como fase.
Se pensarmos as fases como camadas temporais. Não são apenas isto, mas podem ser pensadas em termos temporais. A imagem tempo deleuziana propõe isto. Mas se ao invés da imagem tempo fosse uma imagem espaço, ou imagem que irradia de uma lugar?
Entre o corpo e as coisas sobre as quais age. (Magia)
Uma imagem que também pudesse ser agida; um filme que a cada vez que é “assistido” torna-se outro, no seu corpo. Um filme que incorpora memória. Uma cena que se sabe cena.

Qual a diferença do objeto técnico e do objeto de arte? Pode o objeto técnico ser pensado em termos artísticos?

Em grego techne – arte e técnica são a mesma coisa. Há na raiz da palavra o mesmo significado. Aesthetis , como o que é do plano do sensível, é do plano do que é comum. O sensível é aquilo de que se partilha.

Como propõe Simondon: a axiomatizacao provisória de uma esteto-técnica ou tecno-estética?

“el enciclopedismo, al excluir la historicidad, introduce al hombre
en la posesión de una falsa entelequia, porque esta etapa todavia es rica
en virtualidades; ningún determinismo preside la invención, y si el progreso e pensado como continuo enmascara la misma realidad de la invención ” (SIMONDON, pg. 125)

O acoplamento do homem e da máquina começa a existir a partir do momento em que se pode descobrir uma decodificação comum das memórias, a fim de que se possa realizar uma convertibilidade parcial de uma em outra, para que seja possível uma sinergia. (SIMONDON, pg. 141)

(Aqui lembro-me das máquinas de obsolescência de Lucas Bambozzi. De como a presença e a camada informacional do trafego de dados, ou a nuvem produzida por cada um na sala, cria o espectro. Espectro pescado na atividade de uma máquina de destrói celulares numa espécie de autofagia. Diferença entre autofagia e fagocitose. A imagem como comunicação poética.No CCBB espectros em forma de linhas.)

Levamos a sério o pressuposto de que o olhar fabrica o outro.

A relação, em um sentido forte, implica sempre a alteração dos seus termos.

O olhar se constitui na mesma medida em que constitui o mundo que olha.

“Estes olhares breves, discretos, curiosos, às vezes tímidos, são capazes de capturar nosso olhar, nosso desejo de ver. O olhar da câmera – e por meio dela, o do espectador – é fisgado pelo objeto do olhar, por aquilo que deseja apreender, conhecer. O cinema, nesse caso, o documentário, se aproxima e se altera por uma espécie diferente de saber, um saber xamanístico, para o qual conhecer é menos objetivar do que personificar: para conhecer, nos diz ainda Viveiros de Castro (2002), é preciso subjetivar, tornar o objeto, ao máximo, um
sujeito, um agente” – BRASIL, p. 82.

“A câmera perde a estabilidade de seu modo observacional e se torna também agente, um dos vários “outros” virtuais que se atualizam ali no processo do ritual.” P. 82

A imaginacão é uma faculdade política. Logo, colocar em imagem é um ato político de criação de mundo.

BRASIL, Andre. O Olho do Mito: perspectivismo em Histórias de Mawary. Revista ECO-Pós, [S.l.], v. 15, n. 3, p. 69 – 89, mai. 2013. ISSN 2175-8689. Disponível em: . Acesso em: 22 Mar. 2016.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Images, malgré tout. Paris: Les Editions de Minuit, 2003

MAUSS, Marcel. Esquisse d’une théorie générale de la magie. Article originalement publié dans l’Année Sociologique, 1902-1903, en collaboration avec H. Hubert.

SIMONDON, Gilbert. El modo de existencia de los objetos técnicos. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2007 (1958)

__________________Un entretien sur la mécanologie Gilbert Simondon Jean Le Moyne. L’Office du Film du Quebec Le Ministere de l’Education du Quebec, 1968

Posted in Aesthetics | Leave a comment

#xamanismo

Screen Shot 2016-03-21 at 01.31.40

Screen Shot 2016-03-21 at 01.23.56

Screen Shot 2016-03-21 at 01.34.42LÉVI-STRAUSS, Claude. A eficácia simbolica. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1949/ 1975. p. 234

 
En magie comme en religion comme en linguistique, ce sont les idées inconscientes qui agissent. ´introdução a obra de Mauss
LÉVI-STRAUSS, Claude. Introduction à l’œuvre de Marcel Mauss, Mauss, Sociologie et anthropologie. Paris : PUF, 1950.

Image | Posted on by | Leave a comment

ghost in the machine

Estava escrevendo sobre como o que me interessa na tecnologia é menos o que ela pode modelizar da realidade e mais o que dela pode irromper como erro, como desvio, como glitch, como lugar de assombro, susto, surpresa. Chuckie me mandou esse link:
https://2016.transmediale.de/content/the-model-is-the-map-is-the-territory
“Machine vision isn’t neutral; it’s full of biases and contradictions and complexities because machines are made by people essentially.”

Posted in Aesthetics | Leave a comment