Monthly Archives: October 2007

O olho foi inventado 6 vezes na história da vida –

31/ 10 parte III Descartes afirma: tudo que é vivo é autômato – automatismo de inspiração mecanicista. Vitalismo: a vida é algo que é acrescentado à matéria (idéia de sopro vital, de élan vital) Homens: híbridos de extensão e de … Continue reading

Posted in Filosofia da Ciência | Tagged | Leave a comment

31/10 – parte II

Sui Generis – que é gênero e indivíduo a um só tempo. O acaso é sui gêneris. Des – organizado. Des – ordenado: Ça veut dire: homogêneo. Heterogeneidade, ao contrário é a que pode sustentar a noção de ordem. O … Continue reading

Posted in Filosofia da Ciência | Tagged | Leave a comment

O movimento balístico tem a mesma causa do movimento orbital (!)

Notas de Aula 31/10 1a. parte Ocidente Europeu pós Renascimento : uma nova prática do pensamento filosófico. Uma nova atitude, tendência, inclinação. Princípios a partir dos quais se especula e extrai decorrências lógicas das noções primordiais. Na nova prática teremos … Continue reading

Posted in Filosofia da Ciência | Leave a comment

darwin, charlie: uma leitura

Não há uma longa linha de evolução; só há justaposição, etapa por etapa, umas sobre as outras. Não há um “para onde” . O processo evolutivo é totalmente aleatório.

Posted in Filosofia da Ciência | Tagged | Leave a comment

Emergência

A heterogeneidade estrutural dos sistemas complexos instaura um campo de mediações entre os níveis global e elementar que tem como resultado a aparição de novas propriedades no sistema. (in O Homem Máquina)

Posted in Filosofia da Ciência | Tagged | Leave a comment

A forma humana não está consolidada. Notas de Aula 17/10

O homem está em processo. Esta assombrosa concepção do homem, em construção irá opor-se à idéia medieval de completude. A démarche do homem, da sociedade, do mundo, chama-se história. Este processo é o trajeto de atualização das formas do mundo. … Continue reading

Posted in Filosofia da Ciência | Tagged | Leave a comment

Parte 2 Notas de Aula 10/10

No sistema determinista não há qualquer arbitrariedade. Para um causa um efeito. O método é analítico. A abordagem é reducionista: o todo é redutível às partes. O acaso é um acontecimento que não deriva diretamente de causa fixa anterior. O … Continue reading

Posted in Filosofia da Ciência | Tagged | Leave a comment