Notas de aula @fernandabruno 31/05

Mediação (ação, rede, cognição e política)

  1. Não somos senhores de nossas ações
  2. Nenhum critério substancialista define o que é um ator
  3. Agir é produzir uma diferença, um deslocamento

DELEGAÇÃO
TRADUÇÃO

  • A ação nunca é individual, mas coletiva – ATOR – REDE
  • Descrição das redes – cognição e política

Foco na ação mais do que no discursos, mais do que nas idéias, mais do que na visão de mundo

Pretensão de redefinir o que é ação – diferente de Foucault que está mais preocupado em focar sua análise no campo discursivo – Foucault está mais preocupado com determinado conjunto de práticas

Latour retoma a suposição de que não somos senhores de nossas próprias ações – o sujeito não é autor de suas ações – o nascimento das ciências sociais é atravessado por esta ideia – a psicanálise, a antropologia estruturalista

Psicanálise – o ego não é senhor da sua própria casa – do sujeito da consciência para o inconsciente – formas do impensado

A sociologia:  não é o individuo que age é a sociedade que o faz agir

Não é a consciência dos homens que determina sua condição social, mas o contrário – Marx

Latour – permanecer num nível raso sem fazer referencia a uma estrutura superior – elogio da superficialidade – não há meta-programa último de fundo na base – (Flusser)

Eu nunca sei de antemão quem age numa rede e nenhum critério substancialista pode indicar para mim quem age

Não é a natureza das entidades de um fenômeno social qq mas o modo como ela age; o fato dela produzir ou não uma diferença no curso dos acontecimentos

A ação é um acontecimento – algo que se dá e tem sempre múltiplos agentes – acontecimento no sentido de que se institui um desclocamento, um antes e um depois, uma descontinuidade

Um mediador é aquele que age diferenciando

Moralistas tecnofóbicos

A nossa capacidade de durar como sociedade e agir politicamente depende de uma partilha e de uma delegação de uma série de funções morais cognitivas aos objetos técnicos – o exemplo do quebra molas

Nossa matéria humana não seria capaz de produzir uma matéria duradoura e efetiva

As ações morais são propriedades dos coletivos híbridos

Qualquer gesto de escrita que inscreve técnicas mnemônicas traduz uma função de memória: a lista de compras extensão da memória – prótese mnemônica

Trocar uma função de memória por uma função de percepção – muito mais econômica cognitivamente

Também se diferenciar da perspectiva da prótese como extensão

Uma outra dimensão da técnica com algo que efetua um deslocamento, que por sua vez age sobre o sujeito em retorno : não é mera extensão; é transformação

Apenas instrumentalizando – função repetidora

Diferença entre intermediários e mediadores

Muito mais no sentido de descrever uma rede – e aí se difere da quebra de programa de Flusser

O próprio mundo é um artefato:

O mundo me lembra dos limites e da possibilidade de minhas ações o tempo inteiro

Máquinas sem programação – ?

Toda ação só faz sentido no inteiror de uma rede

Quem age é sempre a rede

A rede não é algo pronto, definido – a rede está sempre de alguma maneira por fazer – ou se fazendo ou por fazer

Pensar a topologia de rede

Tão maior ou menor conforme seus nós, suas associações, a superfície das suas conexões

Topologia aberta

Rede é aquilo que faz proliferar os mediadores

Tão mais ativa quanto mais está produzindo mediações e mediadores

Rede é um conceito e uma estratégia de descrição – evitar o termo método (René Descartes)

Emergência – modelo – fazer proliferar os atores da rede

Ao agir potencializa a ação do outro

O mediador tem uma forma de estrela e amplifica o potencial de ação dos demais

Não posso antecipar que desvios, que supresa a ação do outro vai produzir

Mundo comum – implicação política (Rancière)

Tanto mais comum quanto mais distribuído e heterogêneo ele for

Não só uma tarefa cognitiva, mas uma tarefa política a descrição da rede e o que vai fazer proliferar os mediadores e a distribuição de desta rede

Mediação : “fazer fazer” – fazer os outros passarem aa ação

REDE :  conceito que integra um método de descrição de ações de modo que se construa um mundo comum

O que faz proliferar os mediadores  – ampliação da margem de participação de entidades heterogêneas e de distribuição da ação

Participação de entidades heterogêneas e de distribuição da ação

Tarefa da política = composição de um mundo comum – distribuição da ação

– modos de existência heterogêneos

NETWORK > WORK NET

CO HABITAR é a questão

Como tornar o mundo em que vivemos pragmaticamente habitável : chegamos num limite das relações de forças


About paoleb

muita cousa
This entry was posted in a vida secreta dos objetos, Aesthetics, Work in progress and tagged , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s