Notas Aula Tadeu 30.04

Fora da linhagem formalista de uma teleologia da arte
Tirar as imagens da sua historicidade
Forma Atlas: Dispositivo de conhecimento
Panofsky : ligado a periodicização histórica
Em Warburg: relação entre as figuras é aleatória; anacrônica como num esquema hipertextual.
Iconologia dos intervalos.
Não preocupado com o significado de cada figura, mas com as relações entre as figuras – o que se passa no intervalo.
Diferentes colisões ; inúmeras produções de sentido.
Trabalho político da montagem que liberta o olhar para as relações entre as imagens tirando o olhar daquilo que mais o sujeita : a historicidade.
Epistemologia visual
Relação anacrônica com as imagens – fora da historia
Sobrevivência das imagens no tempo – e não a vida das imagens sujeita a historia
Sentidos mobilizam o imaginário
Imaginário – repertorio de imagens virtualizadas
A memória não está alocada no passado, mas nas nossas ações presentes, nos nossos movimentos de atenção
Reino das imagens
Inconsciente das imagens
Pathos formel sobrevivência das formas revela o inconsciente das imagens vinculado ao inconsciente do tempo
Sintoma – revela outras imagens
Imagens estão no tempo e não na história
Iconologia que nao se detém a apenas uma forma visual
Interessam as relações e não um valor em um objeto determinado – alta cultura x baixa cultura
Principal influencia do Warburg é Nietzsche

Não confundir Atlas com Arquivo

(para mim: diferença entre banco de dados e fluxo)

Atlas aquilo que desorganiza a ordem dos arquivos.

Analise da Vênus de Boticelli
Colocar em cheque estatuto racionalizante : o movimento em lugar do estático
Experiência no Novo México : o ritual da serpente
Transe : cosmovisão radicalmente diferente da cultura na qual nasceu a historia da arte;
Relação entre arte e ritual – discutida também por Walter Benjamin
Sobrevivência de culturas pagãs
Em termos de método de Wwarburg – olhar antropológico e não de historiador
Pensar culturalmente e nao historicamente
Antropologia das imagens
Potencias anacrônicas da imagem que colocam em cheque o próprio conceito de historia
Atitude política
Modo de olhar para as obras que rompe com a sujeição desta forma de olhar para as artes
Underground que perpassa as imagens
Biblioteca de forma elíptica
Forma de catalogação dos livros – por boa vizinhança: família de autores de diferentes épocas
Arquivo : liagado a estocagem de dados, classificados de forma ordenada;
Mas o arquivo de Warburg não se submete a uma linearidade
Nessa forma Atlas, por afinidades, não há um ponto de partida ; forma elíptica e não linear
Contrapor a forma arquivo a forma atlas
Existem várias formas de relações possíveis
Suposto parentesco entre Atlas e Arquivo
Diferença entre parede e mesa
Trabalho de montagem das imagens do ponto de vista warburguiano – submete as imagens ao olhar do observador e sua intervenção nas imagens
Pensamento esquizofrênico que produz uma forma de conhecimento
Priorização de estados associativos ligados ao transe;
Relações entre loucura e tempo

Panofsky apolíneo x Warburg dionisíaco
Carlo Ginzburg – rastro indício
Cinema pensado para além da forma do cinema – 1998
Muybridge
O movimento nas imagens e as imagens do movimento – “cinematismo”
A partir dos anos 90 transformação do conceito histórico
Analisar criticamente a recepção de Warburg hoje
KOSELLEK com se constitui o tempo histórico a partir da perspectiva de futuro : Profecia – igreja
Prognostico – estado
Século XV ao XIX
Ultimas décadas do século XVII – historia constituída
Re evoluções do final do século XVIII

Final do século XVIII Hans Kapp
O século XIX é onde o futuro se torna presente
Século XX emancipação: maquinas substituindo a mão de obra humana
Exumação de arquivos – aprender a conviver com uma civilização que faliu
Pensamento warburguiano em um momento histórico em que a cronologia foi desmantelada
O modelo começa a ser criticado
Kosellek : mudanças em regimes de saber a partir da transformação do tempo histórico
Foucault : o que ocorre em termos políticos com nossa subjetividade
Curso critico de fazer estas leituras através de outros pensadores – forma teórica anacrônica

Ler 1.1 e 1.3 Kosellek

About paoleb

muita cousa
This entry was posted in Aesthetics. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s