Cut up como modelo

“Quando se experimenta com cut-ups por um longo período, se descobre que alguns dos cut-ups e rearranjos parecem se referir a acontecimentos futuros. Eu apliquei a técnica de cut-up num artigo escrito por John Paul Getty e obtive: ‘É uma coisa ruim processar seu próprio pai’, algo que eu rearranjei, que não estava no texto original. E, um ano depois, um dos filhos dele realmente o processou. Não havia explicação para isto na época, mas o fato sugere que quando se corta o passado, o futuro vaza por ele” p. 55

A escrita automática como uma forma de comuniçcação com o além .

Reunir um repertório de palavras – ideias – imagens.

Um grupo de palavras chave.

Um banco de palavras.

Um arquivo de palavras como as engrenagens de uma máquina de linguagem.

Uma palavra é uma imagem.

Uma palavra é um signo.

Criar com as unidades uma espécie de alfabeto nuclear, germe de muitas falas virtuais, possíveis, futuras porém passadas, previstas, inscritas.

BURROUGHS, William S. It Belongs to the Cucumbers, in The Adding Machine: Selected Essays. New York: Arcade Publishing, 1993.

About paoleb

muita cousa
This entry was posted in Aesthetics, CAP1, TESE and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s