elocubrações

O problema : a produção de imagens, pensadas como potência de mobilização afetiva, em fluxo.
Hipótese: Há performatividade e agência nas imagens. A operação imagente (Mondzain, Didi-Huberman) não pode ser pensada exclusivamente em termos humanos, isto é, antropocentrados. Deve ser concebida como possível imaginação do mundo, imaginação das coisas. Esta imaginação , dessubjetivada, ou por outra, transsubjetivante, faz corpo através de operações tecnoestéticas, como proposto por Simondon em carta a Derrida. Na constituição do fluxo, elementos como consistência e coerência são centrais para a compreensão de seu modo de existência.
Metodologia: A construção de objetos técnicos geradores de fluxos de imagens. Pensar por imagens – filmes. Mas não o filme como objeto constituído no campo da representação moderna, necessariamente circunscrito ao que se convencionou pela indústria e o modus operandi da arte do século XX, par excellence. Mas cinema por sua natureza de torrente de imagens – “cinema é cachoeira” – a frase de Humberto Mauro renovada , a partir de uma nova perspectiva tecnoestética, pelo sentido do fluxo de informação – ou data flow. A mediação entre homens; uma superfície de comunicação. A primeira entrada no problema se deu por um modelo de database, como forma simbólica, pensando junto com Lev Manovich. Após a realização de experimentos com bancos de dados o problema da mobilidade coloca-se como complexidade e ressonância. É necessária uma nova topologia – Flusser nos fala de um estado que é Bodenlos – sem chão. Então como pensar um filme que é bodenlos, talvez a cachoeira seja uma boa imagem para isso, assim como o rio de Heráclito. Menos em termos dos componentes de um database e mais em termos de um campo dinâmico de forças, de tensões, de vetores. De devires. Virtualidade e possibilidade. Não no sentido de uma análise combinatória, mas da própria constituição, em certa medida, a imaterialidade da própria matéria, ou para voltar ao vocabulário Simondoniano o pré individual do filme. Antes da inviduação antes do sujeito ser sujeito e do objeto ser objeto. Lugar do germe.
***
Talvez se fosse colocado nos termos da física o problema aparecesse como a clássica oposição entre a natureza corpuscular e a natureza ondulatória da matéria. Um cinema que não fosse feito de pontos, fossem estes grãos de prata ou pixels; mas um cinema que fosse como um comprimento de onda em um dado feixe luminoso. Um cinema que fosse por assim dizer espectral.
A lida com o espectro é melhor captada por antenas que por câmeras.
Filmes como modulações, como sintonizações. A sensibilidade de impressão deste cinema é uma sintonia.
Este lugar de produção de imagem – não apenas sobre as imagens produzidas pelo homem mas sobre a imagem em geral, parafraseando o texto de Walter Benjamin. A imagem imago eidos. Uma potencia eidética do mundo. Mas nao a época de imagens do mundo, não o mundo transformado em uma imagem objeto, mas o processo de produção de imagens como constituinte do mundo, não um mundo no qual o homem age, ou sobre o qual o homem age, mas um mundo que é produzido pelas imagens que são produzidas, em um sistema de ressonância, por todos os agentes neste mundo, sendo, as próprias imagens, agentes.
A estabilidade como um caso particular da meta estabilidade. Uma outra metafísica, uma meta física da natureza.
Identidade como limite da diferença.
Ontologia submetida a epistemologia.
O referente começa a escapar do signo.
Não o filme como substância mas o filme como relação.
***
Não há privilegio do humano.
A ideia da energia como inseparável da relação.
O fato diferencial e a diferença de potencial.
Relação de signos : modelo da diferença linguística e da diferença energética. Mauss: Mana é força é causa é noção de diferença entre a coisas

Tecno logos
Repensar a tecnologia e a cultura, o cinema como segunda natureza, como propõe Felinto.
A máquina como um parceiro, aonde humano e maquina sairão afetados da relação. Porque uma máquina? Porque o objeto técnico e não o objeto de arte? Mas se pensarmos a techne, grega que é arte e técnica a um so tempo;
No entanto se a questão é do domínio da aesthesis, do sensível, do comum, pois que estamos falando de mobilização afetiva. Se estamos falando de pathos, como aponta Laymert Garcia.

Relação de surpresa ou questionamento dialógica.
O que seja dialogismo: pensar com Flusser.
A relação humano máquina exige desafios. Como pensar um acoplamento verdadeiramente dialógico?
Laymert Garcia e o filme que realiza com os ianomâmis: ainda é uma forma, no campo da representação, que enfatiza uma visualidade objetiva, ou ainda uma objetividade visual. As imagens, belíssimas por sinal, tentam dar conta de re presentar, pictoricamente, o que teria sido a experiência.
No entanto, como pensar em termos tecnoestéticos o acoplamento? Como sair do nível de operação lógico representacional que pressupõe uma forma que a técnica executa?
Como produzir uma imagem que seja modulável pela relação mesma com o espectador/produtor? Que incorpore a historicidade de sua própria existência como objeto técnico nesta relação?

Pensar uma historia, uma vida, do próprio filme. Não a história que o filme “conta” ou representa, mas a historia real, de sua vida de filme. Esta possibilidade, de uma vida das coisas, de a materialidade ser necessariamente histórica, e nessa historicidade, não antropo referente. A história das coisas, a vida secreta dos objetos. Em Benjamin, como aponta Felinto (p.4), o conceito de vida é estendido a tudo que tem história e a história, por sua vez, adquire função renovada.

A bio arte, a arte generativa e as mídias baseadas em tempo real buscam responder a estas perguntas. O que é arte generativa? É arte que é gerada na mediação.

Pensar o cinema como um objeto técnico.
Simodon aponta para três aspectos do objeto técnico.
Une unité solide: a solidez do objeto – stereos é sólido em grego.

Um intermediário entro o mundo e o homem. O objeto técnico como intermediário, repare que não é uma media, um meio, mas um médium, inter médio. Uma fase de constituição de sua unidade. O objeto técnico como fase.
Se pensarmos as fases como camadas temporais. Não são apenas isto, mas podem ser pensadas em termos temporais. A imagem tempo deleuziana propõe isto. Mas se ao invés da imagem tempo fosse uma imagem espaço, ou imagem que irradia de uma lugar?
Entre o corpo e as coisas sobre as quais age. (Magia)
Uma imagem que também pudesse ser agida; um filme que a cada vez que é “assistido” torna-se outro, no seu corpo. Um filme que incorpora memória. Uma cena que se sabe cena.

Qual a diferença do objeto técnico e do objeto de arte? Pode o objeto técnico ser pensado em termos artísticos?

Em grego techne – arte e técnica são a mesma coisa. Há na raiz da palavra o mesmo significado. Aesthetis , como o que é do plano do sensível, é do plano do que é comum. O sensível é aquilo de que se partilha.

Como propõe Simondon: a axiomatizacao provisória de uma esteto-técnica ou tecno-estética?

“el enciclopedismo, al excluir la historicidad, introduce al hombre
en la posesión de una falsa entelequia, porque esta etapa todavia es rica
en virtualidades; ningún determinismo preside la invención, y si el progreso e pensado como continuo enmascara la misma realidad de la invención ” (SIMONDON, pg. 125)

O acoplamento do homem e da máquina começa a existir a partir do momento em que se pode descobrir uma decodificação comum das memórias, a fim de que se possa realizar uma convertibilidade parcial de uma em outra, para que seja possível uma sinergia. (SIMONDON, pg. 141)

(Aqui lembro-me das máquinas de obsolescência de Lucas Bambozzi. De como a presença e a camada informacional do trafego de dados, ou a nuvem produzida por cada um na sala, cria o espectro. Espectro pescado na atividade de uma máquina de destrói celulares numa espécie de autofagia. Diferença entre autofagia e fagocitose. A imagem como comunicação poética.No CCBB espectros em forma de linhas.)

Levamos a sério o pressuposto de que o olhar fabrica o outro.

A relação, em um sentido forte, implica sempre a alteração dos seus termos.

O olhar se constitui na mesma medida em que constitui o mundo que olha.

“Estes olhares breves, discretos, curiosos, às vezes tímidos, são capazes de capturar nosso olhar, nosso desejo de ver. O olhar da câmera – e por meio dela, o do espectador – é fisgado pelo objeto do olhar, por aquilo que deseja apreender, conhecer. O cinema, nesse caso, o documentário, se aproxima e se altera por uma espécie diferente de saber, um saber xamanístico, para o qual conhecer é menos objetivar do que personificar: para conhecer, nos diz ainda Viveiros de Castro (2002), é preciso subjetivar, tornar o objeto, ao máximo, um
sujeito, um agente” – BRASIL, p. 82.

“A câmera perde a estabilidade de seu modo observacional e se torna também agente, um dos vários “outros” virtuais que se atualizam ali no processo do ritual.” P. 82

A imaginacão é uma faculdade política. Logo, colocar em imagem é um ato político de criação de mundo.

BRASIL, Andre. O Olho do Mito: perspectivismo em Histórias de Mawary. Revista ECO-Pós, [S.l.], v. 15, n. 3, p. 69 – 89, mai. 2013. ISSN 2175-8689. Disponível em: . Acesso em: 22 Mar. 2016.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Images, malgré tout. Paris: Les Editions de Minuit, 2003

MAUSS, Marcel. Esquisse d’une théorie générale de la magie. Article originalement publié dans l’Année Sociologique, 1902-1903, en collaboration avec H. Hubert.

SIMONDON, Gilbert. El modo de existencia de los objetos técnicos. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2007 (1958)

__________________Un entretien sur la mécanologie Gilbert Simondon Jean Le Moyne. L’Office du Film du Quebec Le Ministere de l’Education du Quebec, 1968

About paoleb

muita cousa
This entry was posted in Aesthetics. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s