Coreografia para acender luzes automáticas

“Coreografia para acender luzes automáticas” consiste em uma série de 12 micro metragens de aproximadamente um minuto. São vídeos que registram ações, ensaiadas ou aleatórias, realizadas por pessoas, animais ou objetos, em espaços abertos ou fechados, dotados de sensores de movimento que acionam sistemas de iluminação.

A utilização de sensores em obras de arte e tecnologia, seja no campo da performance ou da videoinstalação, é um fenômeno a cada dia mais comum, com os mais variados propósitos e escalas. No caso da presente proposta, no entanto, não se trata de montar um sistema específico para a realização de uma obra, mas de produzir registros em locais existentes que já contam com estes sistemas, lançando um olhar renovado sobre o cotidiano e provocando um deslocamento de função que “reprograma” poética e esteticamente possíveis relações com os espaços públicos e privados cohabitados com os sensores.

Sistemas automatizados vem sendo observados em espaços concebidos dentro de uma chamada “arquitetura inteligente”, que projeta ambientes que regulam, para citar alguns exemplos, temperatura, iluminação ou ambientação sonora em acordo com a presença e a “body language” dos “usuários”. Não se trata de cenário futurista de ficção cientifica, mas de realidades que passam a fazer parte do nosso dia a dia, sendo incorporadas pela administração pública, a indústria e o comércio, em nome da segurança, da economia, ou do prazer, para citar os discursos mais conhecidos.

Mas o que, além do discurso já conhecido, a automatização de certas funções dos ambientes teria a nos dizer? E como nosso comportamento diante da automação poderia responder a estes ditos? Que “diálogo” seria esse?

Esta série de vídeos está sendo realizada como uma resposta crítica à leitura dos livros “A filosofia da Caixa Preta” e “No universo das imagens técnicas – O elogio à superficialidade” de Vilém Flusser, e será acompanhada de um artigo que desdobra as questões aqui delineadas, em diálogo com outros autores, notadamente Bruno Latour.

One Response to Coreografia para acender luzes automáticas

  1. paoleb says:

    FREE film and live performances, showing how urban space can invite, provoke and repress playful and performative behaviour. http://www.firstsite.uk.net/page/playing-with-space-filmed-performance-in-the-urban-environment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s